Ministra Damares Alves visita Campinas e discute caso do menino que era torturado

Foto: Luiz Granzotto/Prefeitura de Campinas

Aumentar o número de conselhos tutelares na cidade de Campinas (SP). Esta foi a sugestão apresentada pela ministra Damares Alves, titular do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos (MMFDH), em reunião, nesta segunda-feira (08), com o prefeito Dário Saadi, na sede do Poder Executivo local.

A ministra destacou que as unidades da cidade podem ser ampliadas com a articulação de emendas parlamentares destinadas ao órgão.

O caso do menino de 11 anos, que sofreu maus-tratos e foi resgatado pela Polícia, em Campinas, trouxe à tona a discussão sobre a ampliação e o fortalecimento de políticas públicas e as formas de trabalho dos entes envolvidos na proteção e no bem-estar de crianças e adolescentes em vulnerabilidade.

“Reconhecemos a rede de proteção de Campinas, uma das melhores do país, e referência para o Brasil. O momento não é o de desqualificar e desconstruir o trabalho do conselho tutelar e de outros setores da rede de proteção e sim fortalecer ainda mais. Se houve algum problema, isso será resolvido”, enfatizou a ministra.

Saadi destacou que trabalha para que os conselhos tutelares cumpram papel de forma efetiva. “O mais importante, neste momento, é a necessidade de reorganizar e redistribuir o atendimento dos conselhos que, atualmente, é por região.

Estamos avaliando a situação de vulnerabilidade social nas regiões para estabelecer a melhor divisão territorial para cada conselho tutelar”, explicou o prefeito.

O secretário nacional dos direitos da criança e do adolescente, Maurício Cunha, acompanhou a ministra durante a reunião. Além dele, também estavam presentes a secretária municipal de Assistência Social, Direitos Humanos e Pessoa com Deficiência, Vandecleya Moro, o secretário municipal de Justiça, Peter Panutto, e o secretário municipal de Saúde, Lair Zambon.

*Com informações da Prefeitura de Campinas e do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos

Comentários via Facebook