Padrasto que confessou ter estuprado e matado Maria Clara muda versão e alega morte por queda acidental

Cássio Martins Camilo mudou a versão e agora nega ter matado a Maria Clara. O auxiliar de produção que está preso teria confessado o assassinato, porém em depoimento em juízo mudou a versão. O novo interrogatório aconteceu no final do ano passado na Segunda Vara Judicial de Hortolândia. Cassio afirmou que só confessou ter matado a Maria Clara por ter sido agredido e obrigado pelos policiais.

Maria Clara foi morta pelo padrasto no dia 17 de dezembro. A mãe teria saído para trabalhar e deixou a filha aos cuidados do companheiro. Em depoimento na delegacia, ele confessou ter usado drogas e depois ter matado a pequena criança de apenas 5 anos. Ele confessou que estuprou a criança e depois apertou o pescoço dela até a morte.

Depois de ter matado a criança. ela a enrolou em uma cortina, colocou em uma caixa de papelão e descartou em um terreno baldio. Em nova versão ele disse que a menina teve uma queda acidental e morreu e que as versões anteriormente apresentadas por ele, teriam sido forçadas a serem contadas após ter sido violentado pelos policiais.

O promotor PEdro dos Reis se manifestou na última quinta-feira (8) e pediu a manutenção da prisão preventiva. Ele pode ir à júri popular. Cassio é denunciado por homicídio triplamente qualificado, estupro de vulnerável e ocultação de cadáver. Ele pode pegar até 63 anos de prisão.

Direto da Redação

TV HORTOLÂNDIA

Comentários via Facebook