Sumaré confirma primeiros casos de varíola dos macacos

A Secretaria Municipal de Saúde de Sumaré confirmou os dois primeiros casos de varíola dos macacos (monkeypox) nesta segunda-feira (15) no município. Os pacientes são de sexo masculino, com 26 e 28 anos, moradores da região do Matão e Picerno, respectivamente.

De acordo com a superintende da Vigilância Epidemiológica, Denise Barja, os pacientes estão em isolamento domiciliar, sem agravamento, e sendo monitorados por equipes da pasta. Até o momento, o município conta com dois casos descartados e outros dois aguardando confirmação.

O secretário de Saúde de Sumaré, Rafael Virginelli, afirma que os cuidados e orientações sobre a doença serão reforçados. Uma sala de situação, composta por equipes dos setores da pasta envolvidos, foi montada para monitorar a doença na cidade. Os profissionais da pasta passaram ainda por uma capacitação sobre a varíola dos macacos. No encontro foram abordados temas como a situação atual da doença, sua transmissão, investigação epidemiológica, manejo clínico, cuidados domiciliares, diagnóstico laboratorial, tratamento e monitoramento. Além disso, a formação tratou da coleta de material, notificação e cadastro das amostras.

“Desde segunda-feira (15), todas as unidades de saúde estão preparadas para atender à população, de forma a realizar o diagnóstico adequadamente. As pessoas que procurarem uma unidade de saúde com sintomas da doença serão atendidas e orientadas por nossos profissionais que estarão preparados”, afirma Virginelli.

A Prefeitura orienta para que as pessoas procurem a unidade mais próxima da sua residência ou uma unidade de referência caso haja suspeita de contaminação. Além das unidades de saúde, Sumaré conta com o HES (Hospital Estadual de Sumaré), hospital de referência para atendimentos de casos graves doença na região.

O principal sintoma da monkeypox é o aparecimento de lesões parecidas com catapora ou bolhas que podem surgir no rosto, dentro da boca e em outras partes do corpo, como mãos, pés, peito, genitais ou ânus. Em caso de suspeita, é essencial que se busque atendimento médico imediatamente e relate a ocorrência.

Dentre as principais medidas preventivas, está a constante higienização das mãos, evitar compartilhar objetos de uso pessoal, procurar manter distância de pessoas com suspeita da doença e ainda usar máscaras.

Comentários via Facebook