PIX: Número de sequestros em São Paulo bate recorde nos últimos 15 anos

Em 2022, o número de sequestros no Estado de São Paulo bateu o recorde nos últimos 15 anos. Vale lembrar que o levantamento considerou apenas os mês de janeiro a setembro do último ano, o que revela que os dados devem ser ainda mais preocupantes.

– FIQUE ATUALIZADO: Entre em nosso grupo do WhatsApp e receba informações em tempo real (clique aqui)

A implementação do Pix, lançado no final de 2020 pelo Banco Central é um dos fatores que desencadearam o aumento desse tipo de crime não apenas em São Paulo mas em todo o Brasil. A Secretaria de Segurança Pública divulgou os dados, que apontam para um aumento no chamado “Golpe do Amor”, onde as vítimas são enganadas a partir de aplicativos de namoro.

Após marcar um suposto encontro, a vítima é levada para um cativeiro e as quadrilhas limpas as contas bancárias através de transações via PIX, normalmente utilizando contas de “laranjas” para evitar que os agentes de segurança consigam ligar as transações aos criminosos.

No período analisado de 2022, houveram 165 casos registrados, um aumento de 75% em relação ao mesmo período do ano anterior, que teve apenas 94 notificações. O número superou todos os recordes desde o último pico, em 2007, onde foram registrados 323 casos de sequestro, sendo que dois terços dos casos foram registrados na Grande São Paulo.

Segundo as próprias autoridades policiais em entrevista ao Estadão, grande parte dos golpes não entram na estatística, pois são registrados apenas como extorsão.

PREVENÇÃO

A facilidade e velocidade com que os bandidos limpam as contas das vítimas fez com que o crime voltasse ao cotidiano do brasileiro, infelizmente. Porém, há algumas maneiras de se prevenir:

Evite locais isolados: Sempre mantenha-se atento aos seus arredores. Bandidos raramente irão lhe atacar em meio à multidão, e normalmente preferem atacar pessoas sozinhas e distraídas.

Reduza o limite do PIX: Você dificilmente faz transações de grande valor no dia-a-dia. Mantendo um limite de transações diárias baixo, você evita que os bandidos consigam limpar todas as suas economias em questão de segundos. Mas é importante que esse limite não seja extremamente baixo, pois pode acabar irritando os sequestradores e terminando de uma maneira ruim. Lembre-se sempre: morto não gasta dinheiro.

Esconda os aplicativos bancários: Os mais radicais estão recomendando manter um celular secundário em casa, apenas com aplicativos bancários. Como não são todos que têm poder aquisitivo para manter dois aparelhos, o ideal seria esconder os aplicativos do banco. Algumas marcas de celular (como Samsung e Xiaomi) contam com funcionalidades nativas, mas você também pode instalar um launcher personalizado. Manter uma conta secundária com pouco dinheiro para servir de “isca” para o bandido é crucial.

Dica extra: Manter o celular protegido em caso de assalto também é essencial. Configure um pin-code para seu chip, evitando que bandidos consigam recuperar suas contas via SMS. Utilize um gerenciador de senhas (já escrevemos sobre isso no site) e mantenha um limite de tempo com a tela acesa antes de bloquear.

Direto da Redação
Henrique Amaral – TV HORTOLÂNDIA
Emissora Rede Brasil de Televisão
Imagem: Marcello Casal Jr/Agência Brasil

 

Comentários via Facebook