Hortolândia começa a convocar servidores para comprovar vacinação contra Covid-19

A Prefeitura de Hortolândia publicou, na tarde desta quinta-feira (26/08), a ordem de serviço 003/2021, da Secretaria de Administração e Gestão de Pessoal, que traz os procedimentos para a entrega da comprovação da imunização contra o Coronavírus pelos servidores municipais. A medida, disponível na edição 1298 do Diário Oficial Eletrônico do Município, complementa o decreto Nº 4.853, de 12/08, que “dispõe sobre a compulsoriedade da imunização por meio da vacinação contra o Coronavírus”, informando sobre o início da convocação para que cada servidor comprove junto à Secretaria em que trabalha em que etapa está sua imunização. O documento pode ser acessado neste link: https://publicacoesmunicipais.com.br:8443/api/acts/hortolandia/1298.

A partir de dados fornecidos pela Secretaria Municipal de Saúde, a Administração Municipal já concluiu o levantamento inicial dos servidores imunizados até agosto. Os números são preliminares, uma vez que só dizem respeito àqueles que moram no município e aqui se imunizaram. Ficaram de fora os casos de servidores que moram em outros municípios da região, como Campinas, Monte Mor, Sumaré ou Santa Bárbara d’Oeste, e lá se vacinaram.  Estes números mostram que 70% dos 4.821 servidores da Prefeitura já tomaram pelo menos a 1ª dose da vacina, 1.788 já estão com a imunização concluída e 1.439 estão com a 2ª dose agendada, porém há 1.403 sem registro de vacinação, muito provavelmente porque moram em outras cidades, e 191 estão com a segunda dose em atraso.

A partir de agora, em data determinada na própria notificação, o servidor precisará apresentar o comprovante de imunização diretamente na unidade de Gestão de Pessoal da Secretaria em que trabalha. Caberá a estas equipes monitorar a entrega dos comprovantes de imunização. Finalizado o processo, ou seja, com a imunização completa do servidor, os documentos serão enviados à Divisão de Saúde Ocupacional e Segurança do Trabalho para registro e arquivo em prontuário.

Segundo ainda a Ordem de Serviço, o servidor que não cumprir com a determinação da entrega do comprovante de imunização até a data estipulada na notificação terá o nome “enviado ao Departamento de Gestão de Pessoal para autuação de processo junto ao Protocolo, com posterior encaminhamento ao Departamento de Processos Disciplinares, da Secretaria de Assuntos Jurídicos, para apuração dos fatos”.

Em geral, a medida foi bem-recebida pelos servidores. “Com relação à evolução do processo de vacinação no município, os servidores públicos são o espelho para a população ao estar em dia com a vacina. É de suma importância sermos imunizados corretamente, apoiando a iniciativa da Administração, pois fazemos atendimento direto ao público. O exemplo precisa partir de nós, colaboradores municipais”, afirma a funcionária comissionada Geiza Novelli, servidora da Secretaria de Mobilidade Urbana.

“A Prefeitura, fazendo isso, está pensando no coletivo, no bem-estar e na segurança de todos, zelando pela vida. Na minha opinião, é muito importante nós nos protegermos. Sendo assim, todos deveriam fazer, mesmo não sendo obrigatório. Mas concordo com a obrigatoriedade, pois quem não toma a vacina está colocando em risco não só a própria vida como a de todos”, pondera a professora Carla Borrego Varani, servidora da Secretaria de Educação, Ciência e Tecnologia. 

“Um grande gesto de afeto e cuidado com cada servidor. Assim, a Prefeitura demonstra o quanto seus colaboradores são importantes e o quanto é essencial que todos trabalhem com a segurança da imunização e também cumprindo os protocolos sanitários. Eu parabenizo a Administração por esse olhar carinhoso para os servidores. A vacina salva vidas”, ressalta a agente cultural, Fabiana Tavares, servidora da Secretaria de Cultura.

Segundo o Departamento de Gestão de Pessoal, atualmente há no Executivo Municipal, 4.821 servidores, dentre eles, efetivos, comissionados, agentes políticos, conselheiros tutelares e estagiários. A medida afeta diretamente a todos eles, bem como a servidores da Câmara Municipal, do Hortoprev (Instituto Municipal de Previdência Social de Hortolândia) e a todo “aquele que exerce, mesmo que transitoriamente ou sem remuneração, cargo, função ou emprego público na Administração Direta e Indireta, bem como quem trabalha para empresas prestadoras de serviços, contratadas ou conveniadas, para a execução de atividades típicas da Administração”, tais como recepcionistas e auxiliares de limpeza, dentre outros.

Por Prefeitura de Hortolândia
Foto: Divulgação/Prefeitura de Hortolândia

Vacinação será obrigatória para entrar em comércios da cidade de São Paulo

A prefeitura de São Paulo anunciou, hoje (23), que será obrigatório estar com a vacinação contra a covid-19 em dia para entrar nos estabelecimentos da cidade. A exigência será como um passaporte de vacinação que deverá ser exigido por todos os estabelecimentos (comércio, serviços e eventos em geral). A comprovação poderá ser feita por meio de aplicativo da prefeitura ou com o próprio cartão físico.

“A pessoa baixa o aplicativo da prefeitura e lá terá um QR Code com todas as informações: primeira dose, segunda dose, quando ela vai tomar ou deveria ter tomado”, explicou o prefeito Ricardo Nunes. Segundo ele, o dispositivo e-SaudeSP está em fase de testes e a previsão é a de que até sexta-feira (27) já esteja concluído.

O prefeito disse que o estabelecimento que não cumprir a determinação será multado, e o cidadão que não apresentar o comprovante de vacinação poderá ser impedido de entrar no local. 

“O conceito principal é o de que os estabelecimentos só aceitem pessoas com a vacina. Se identificarmos que o estabelecimento não está exigindo ou que há pessoas no local que não se vacinaram, aplicaremos uma multa. Para evitar isso vamos oferecer todos os mecanismos para fazer essa identificação”, disse Nunes.

Por Agência Brasil
Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil

Covid-19: vacina será obrigatória em SP quando estiver disponível

Foto: Governo do Estado de São Paulo

O governador de São Paulo, João Doria, disse hoje (16) que a vacina contra a covid-19 será obrigatória em todo o estado paulista, caso ela seja aprovada nos testes e tenha o aval da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Segundo Doria, apenas pessoas com atestado médico poderão ser liberadas de receber o imunizante.

“Em São Paulo a vacinação será obrigatória, exceto para quem tenha orientação médica e atestado médico de que não pode tomar a vacina. E adotaremos medidas legais se houver contrariedade nesse sentido”, disse Doria, em entrevista coletiva em São Paulo.

O governador revelou que os testes com a vacina chinesa CoronaVac devem ser finalizados neste final de semana e os resultados desses testes deverão ser anunciados em coletiva à imprensa na segunda-feira (19). Doria também disse que os resultados desses testes serão encaminhados na própria segunda-feira para a Anvisa.

Na quarta-feira (21), Doria deve se reunir com o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, para discutir sobre a possibilidade de distribuir a vacina nacionalmente por meio do Sistema Único de Saúde (SUS). No mesmo dia, o governador vai se reunir com o diretor-presidente da Anvisa, Antonio Barra Torres.

“O que São Paulo deseja é compartilhar a vacina do Butantan para que outros estados brasileiros possam vacinar. São Paulo vai vacinar. Já garanti que os 45 milhões de brasileiros em São Paulo serão vacinados”, disse Doria.

Testes

O governo paulista, por meio do Instituto Butantan, tem uma parceria com a farmacêutica chinesa Sinovac para a vacina CoronaVac. Por meio desse acordo, o governo vai receber 46 milhões de doses da vacina até dezembro deste ano. O acordo também prevê transferência de tecnologia para o Butantan .

A CoronaVac está na fase 3 de testes com voluntários brasileiros desde julho deste ano. Nesta etapa, é avaliada a eficácia da vacina, ou seja, se ela protege contra o coronavírus. Caso os testes de fase 3 comprovem que ela é uma vacina eficaz, a CoronaVac ainda vai precisar de uma aprovação da Anvisa para iniciar a vacinação. O governo paulista prevê que o início da vacinação possa ocorrer a partir de 15 de dezembro deste ano.

O governador enfatizou que a vacina chinesa vem se mostrado segura, ou seja, os voluntários não apresentaram efeitos colaterais graves. “Até aqui, sem nenhuma colateralidade. Até aqui os testes da CoronaVac são positivos”, disse Doria.

Segundo o coordenador executivo do Centro de Contingência do Coronavírus em São Paulo, João Gabbardo, as duas primeiras fases de testagem da vacina também indicaram que sua eficácia é de cerca de 98%. Geralmente, para ser aprovada, uma vacina necessita minimamente ser 70% eficaz, mas a Anvisa estuda flexibilizar a aprovação da vacina se ela tiver ao menos 50% de eficácia.

“O Ministério da Saúde, neste momento, fala em número superior a 50%. Se tivermos eficácia superior a 50%, a vacina poderá ser aprovada pela Anvisa. Os estudos que temos até o momento, de fases 1 e 2, apontam para eficácia em torno de 98%. Não tenho acesso ainda aos testes de fase 3 no Brasil. Para comparação, a vacina para Influenza [gripe] tem eficácia em torno de 90%”, disse Gabbardo.

O coordenador disse crer que a CoronaVac preenche todos os requisitos elencados pelo Ministério da Saúde para ser incorporada ao Programa Nacional de Imunização, tais como segurança, eficácia, prazo de desenvolvimento, produção em escala e preço razoável.

“Nós acreditamos que a vacina preenche todos os requisitos elencados pelo Ministério da Saúde para ser incorporada ao Programa Nacional de Imunizações”, disse Gabbardo.

*Com informações da Agência Brasil