Campinas está sem novos casos de monkeypox há uma semana

Campinas está há uma semana sem confirmações de novos casos de monkeypox. O boletim divulgado pela Secretaria de Saúde nesta segunda-feira, 28 de novembro, também informa que 63 dos 93 pacientes de Campinas diagnosticados com a doença saíram do isolamento. Os demais seguem em acompanhamento ambulatorial, sem gravidade e com boa evolução. 

– FIQUE ATUALIZADO: Entre em nosso grupo do WhatsApp e receba informações em tempo real (clique aqui)
 
Os pacientes, 86 homens e sete mulheres, têm entre 11 e 57 anos. 
 
O atendimento para os pacientes com suspeita da doença está disponível nos centros de saúde, prontos-socorros, pronto atendimentos e no Centro de Referência em IST, HIV/Aids e Hepatites Virais.
 
Sintomas
 
O principal sintoma é o aparecimento de lesões parecidas com espinhas ou bolhas que podem surgir no rosto, dentro da boca ou em outras partes do corpo, como mãos, pés, peito, genitais ou ânus;
– Caroço no pescoço, axila e virilhas;
– Febre;
– Dor de cabeça;
– Calafrios;
– Cansaço;
– Dores musculares.
 
Pessoas infectadas devem permanecer isoladas até que as “casquinhas” das lesões caiam, o que demora cerca de 21 dias. 
 
Os contatos próximos devem monitorar o aparecimento de sintomas e evitar o contato físico com outras pessoas. 
 
Cuidadores e familiares não devem tocar em lesões e ter cuidado ao manipular  roupas, lençóis e toalhas que foram usados pela pessoa infectada. 
 
Prevenção
 
– Evitar contato direto com lesões características.
– Lavar com frequência das mãos ou uso de álcool em gel.
– Limpar com frequência as superfícies de alto contato.
– Usar máscara em locais com aglomerações de pessoas.
– Evitar situações de contato físico pele a pele em ambientes com aglomeração.
–  Usar fontes confiáveis para ter informações sobre a doença.

Imagem e informações: Prefeitura de Hortolândia

Secretaria de Saúde de Campinas confirma 90 casos de varíola dos macacos

A Secretaria de Saúde informa que Campinas tem mais um caso confirmado de monkeypox. Com isso, a cidade passa a contar com 90 confirmações da doença, sendo 30 importadas e 60 autóctones. A atualização dos dados está sendo divulgada pela Pasta às segundas e quintas-feiras.
 
 
Os pacientes, 83 homens e sete mulheres, têm entre 11 e 57 anos. Desse total, 58 saíram do isolamento. Os demais contam com acompanhamento ambulatorial, sem gravidade e com boa evolução.
 
 
 
O atendimento para os pacientes com suspeita da doença está disponível nos centros de saúde, prontos-socorros, prontos atendimentos e no Centro de Referência em IST, HIV/Aids e Hepatites Virais.
 
 
Sintomas
 
O principal sintoma é o aparecimento de lesões parecidas com espinhas ou bolhas que podem surgir no rosto, dentro da boca ou em outras partes do corpo, como mãos, pés, peito, genitais ou ânus;
– Caroço no pescoço, axila e virilhas;
– Febre;
– Dor de cabeça;
– Calafrios;
– Cansaço;
– Dores musculares.
 
Pessoas infectadas devem permanecer isoladas até que as “casquinhas” das lesões caiam, o que demora cerca de 21 dias. 
 
Os contatos próximos devem monitorar o aparecimento de sintomas e evitar o contato físico com outras pessoas. 
 
Cuidadores e familiares não devem tocar em lesões e ter cuidado ao manipular  roupas, lençóis e toalhas que foram usados pela pessoa infectada. 
 
 
Prevenção
 
– Evitar contato direto com lesões características.
– Lavar com frequência das mãos ou uso de álcool em gel.
– Limpar com frequência as superfícies de alto contato.
– Usar máscara em locais com aglomerações de pessoas.
– Evitar situações de contato físico pele a pele em ambientes com aglomeração.
– Usar fontes confiáveis para ter informações sobre a doença.

Imagem e informações: Prefeitura de Campinas
monkeypox varíola

Campinas tem 16 casos de varíola dos macacos confirmados

Campinas confirmou mais dois casos de monkeypox, segundo atualização da Secretaria Municipal de Saúde nesta quarta-feira, 3 de agosto. Com isso, a cidade passa a contar com 16 confirmações da doença, sendo 10 casos importados e seis autóctones. 
 
Os pacientes, 15 homens e uma mulher, têm entre 23 e 41 anos. Seis deles saíram do isolamento. Os demais contam com acompanhamento ambulatorial, sem gravidade e com boa evolução. 
 
O Departamento de Vigilância em Saúde (Devisa) tem 50 notificações de monkeypox, sendo 46 residentes de Campinas e quatro de cidades da região. 
 
A doença é transmitida por contato direto ou indireto com as lesões de pele, contato próximo por tempo prolongado, por vias sexual e respiratórias. 
 
Assistência
 
A rede municipal de saúde está preparada para atendimento, diagnóstico e monitoramento dos casos de monkeypox. O atendimento para os pacientes com suspeita da doença está disponível nos centros de saúde, prontos-socorros, pronto atendimentos e no Centro de Referência em IST, HIV/Aids e Hepatites Virais.
 
Sintomas
 
O principal sintoma é o aparecimento de lesões parecidas com espinhas ou bolhas que podem surgir no rosto, dentro da boca ou em outras partes do corpo, como mãos, pés, peito, genitais ou ânus;
– Caroço no pescoço, axila e virilhas;
– Febre;
– Dor de cabeça;
– Calafrios;
– Cansaço;
– Dores musculares.
 
As pessoas que tiverem um dos sintomas devem procurar um serviço médico e permanecer em isolamento. A doença costuma durar de duas a quatro semanas.

Imagens e informações: Prefeitura de Campinas

Ministro diz que Brasil terá antiviral para tratar varíola dos macacos

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, anunciou nesta segunda-feira (1º), pelo Twitter, que o Brasil receberá, por intermédio da Organização Pan-Americana da Saúde (Opas), o antiviral Tecovirimat para “reforçar o enfrentamento ao surto” de varíola dos macacos.

“Serão contemplados casos mais graves em um primeiro momento”, adiantou. O Tecovirimat tem sido oferecido como opção de “uso compassivo” nos Estados Unidos. Entretanto, ainda não há dados que demonstrem a eficácia do antiviral para o tratamento da varíola dos macacos.

Números

Segundo dados do Ministério da Saúde, até ontem (31), 1.342 casos de varíola dos macacos foram registrados no país. Na última sexta (29) a pasta confirmou a primeira morte pela doença no Brasil.

A vítima era um homem, de 41 anos. Ele estava internado em Belo Horizonte (MG) e tinha comorbidades que podem ter prejudicado o quadro clínico. O Ministério da Saúde investiga as circunstâncias da morte.

Sintomas

A varíola dos macacos é uma doença causada pela infecção com o vírus Monkeypox, que causa sintomas semelhantes aos da varíola. Ela começa com febre, dor de cabeça, dores musculares, exaustão e inchaço dos linfonodos.

Uma erupção geralmente se desenvolve de um a três dias após o início da febre, aparecendo pela primeira vez no rosto e se espalhando para outras partes do corpo, incluindo mãos e pés.

Em alguns casos, pode ser fatal, embora seja tipicamente mais suave do que a varíola. A doença é transmitida para pessoas por vários animais selvagens, como roedores e primatas, mas também pode ser transmitida entre pessoas após contato direto ou indireto.

Saúde confirma terceiro caso de varíola dos macacos em Campinas

A Secretaria de Saúde informa que foi confirmado no final da tarde de quarta- feira, 20 de julho, o terceiro caso de monkeypox em Campinas. O paciente é um homem de 39 anos, morador da região Leste. O caso está sendo considerado autóctone, pois ele não viajou e participou de eventos na cidade.

Os primeiros sintomas apareceram no último dia 7 e o caso estava em investigação desde 14 de julho, quando ele procurou atendimento na rede privada.

O homem passa bem, está isolado em casa e continua sendo acompanhado por equipes de saúde. Os contatos apontados pelo paciente estão sendo monitorados. Até o momento, nenhum deles apresentou sintomas.

A doença é transmitida por contato direto ou indireto com as lesões de pele, contato próximo por tempo prolongado, por vias sexual e respiratórias.

Sintomas

O principal sintoma é o aparecimento de lesões parecidas com espinhas ou bolhas que podem surgir no rosto, dentro da boca ou em outras partes do corpo, como mãos, pés, peito, genitais ou ânus;
– Caroço no pescoço, axila e virilhas;
– Febre;
– Dor de cabeça;
– Calafrios;
– Cansaço;
– Dores musculares.

As pessoas que tiverem um dos sintomas devem procurar um serviço médico e permanecer em isolamento. A doença costuma durar de duas a quatro semanas.

Imagem e informações: Prefeitura de Campinas

Campinas confirma primeiro caso de varíola dos macacos

A Secretaria de Saúde de Campinas confirmou na manhã desta sexta-feira (15) o primeiro caso de varíola dos macacos na cidade. O paciente de 31 anos teve os primeiros sintomas no dia 21 de junho, e estava em isolamento desde o último dia 8.

De acordo com a pasta, o homem está em isolamento residencial e equipes de saúde estão acompanhando o caso. As pessoas com quem o paciente teve contato também estão sob monitoramento e não apresentaram sintomas até o momento.

Na região também foram confirmados casos em Vinhedo e Indaiatuba. Em pouco menos de um mês, o número de casos confirmados em todo o país saltou de 1 para 52.

Direto da Redação
Henrique Amaral – TV HORTOLÂNDIA
Emissora Rede Brasil de Televisão